top of page

Receba novidades do bairro Uberaba em primeira mão!

Escolha um canal

whatsapp-logo-1.png
telegram-logo.png
Brincando com o celular

(VÍDEO) Professora do bairro Uberaba, Mãe e Filha de 16 anos são agredidas nas ferias no litoral do



Oque erá para ser uma ferias em família no litoral do Parana virou um pesadelo para a professora Cristiana D Gohr, que da aulas no colégio Alfredo Parodi, no bairro Uberaba.

Segundo o relato da professora, ela caminhava pelo centro da cidade de Matinhos, quando uma moça de cabelos longos, aparentando ter entre 25 e 30 anos se aproximou e passou a mão na cachorrinha que participava do passeio e que estava usando coleira, quando a cachorra latiu, por não gostar de estranhos, a professora se desculpou e as duas sorriram pelo acontecido. e continuaram a caminhada, cada um para seu destino. Porem a historia não acabou ai, uma senhora, que aparentava ser familiar da primeira moça teria começado a provocar todos, inclusive a cachorra, xingando e dando empurroes, quando apareceu outra mulher, de nome claudia que jogou a professora no chão, dando inicio as agreções.

Veja o relato na integra abaixo: (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Essa sou eu, horas depois de uma crueldade!! 

Tenho apenas 16 anos e já tive a terrível experiência de conhecer

o lado selvagem do ser humano, vendo minha mãe, 

minha vó idosa e minha cachorrinha apanhando sem motivos no meio da rua… 

como não sei mais a quem recorrer resolvi expor essa história a vocês !!! 

Eu, minha mãe, minha vó e minha cachorrinha Amora estávamos andando 

no centro de Matinhos quando uma moça de cabelos longos (que aparenta ter entre 25 e 30 anos) passou a mão na minha cachorra que estava na coleira, 

com a minha mãe, minha cachorra apenas latiu,

pois ela não gosta de desconhecidos mas não machucou ninguém (ela não morde ninguém),

minha mãe e essa primeira moça sorriram, minha mãe pediu desculpas e continuamos caminhando. 

Logo em seguida uma senhora Marili 

(possível mãe dessa primeira moça, aparenta ter entre 50 a 65 anos ), 

começou a caminhar ao lado da minha mãe, provocando, 

intimidando e empurrando a minha mãe dizendo:

“essa cachorra precisa usar focieira” repetindo isso diversas vezes, 

minha mãe respondeu que não precisava usar, pois ela era boazinha,

 é só não passar a mão. Dito isso essa senhora continuou provocando 

minha mãe e dessa vez dizendo ” vamos ver se ela não morde então” 

provocando também a minha cachorra … depois disso e de diversas 

provocações minha respondeu educadamente 

“senhora, existem muitos seres humanos que precisam de focieira, mas a minha cachorra não” imediatamente uma mulher chamada Cláudia de 26 anos jogou 


boletim de ocorrencia

minha mãe no meio da rua, chutando e pisando na minha cachorrinha na rua também. 

Dessa maneira minha vó e eu fomos agredidas também e tentamos nos defender e fugir, atravessamos a rua correndo ligando para o meu pai e para o 190, a Cláudia e senhora Marili 

(que possivelmente é mãe da Cláudia também) atravessaram a rua, 

nos gravando, pedindo nosso nome e nos ameaçando: 

“vocês não sabem com quem estão lidando,vamos atrás de vocês e vamos chamar a polícia” 

dessa maneira depois de chutar minha cachorra eu apenas disse a Cláudia 

“moça, você machucou minha vó cardíaca, minha cachorra e minha mãe, 

você passou dos limites por favor para vamos embora” 

quando eu virei pra ir embora a Cláudia pulos nas minhas costas e começou 

a me bater, surrar meu rosto me colocando contra a parede enquanto a Senhora Marili 

puxava e arrancava meus cabelos, me segurando contra a parede enquanto a Cláudia quase me matou. Nesse momento outras pessoas que estavam no grupo delas jogaram 

minha mãe em uma cesta de roupas e agrediram ela também que está com o couro cabeludo

bem machucado, minha vó também foi agredida várias vezes e ela conseguiu 

me tirar da parede, implorando por ajuda de vários homens que até então estavam 

assistindo tudo…. minha cachorrinha ficou com uma moça de bom coração chamada Lili 

que testemunhou tudo e que enquanto eu apanhava puxou minha Amora e cuidou dela…

quando finalmente quase inconsciente e totalmente cheia de sangue no rosto me tiraram de lá,

uma senhora muito carinhosa de uma loja me limpou e cuidou de mim enquanto minha mãe 

e minha vó ainda estavam lá … 

enfim depois em casa eu não pude dormir já que minha cabeça estava machucada 

e então com muita ajuda de meus amigos e familiares através da divulgação de uma foto conseguimos localiza – lás em um hospital próximo, e chamamos a polícia novamente, 

então fomos todos á delegacia (meia noite e meia) e registramos um Boletim de Ocorrência

e ainda na frente dos policiais a senhora Marili e a Cláudia nos provocaram, 

tiraram fotos e ainda nos ameaçaram de morte com gestos, infelizmente os policiais 

apenas pediram para não darmos bola e ficarmos quietas…. enfim agora é esperar que 

esses animais fiquem presos e que paguem por isso … ainda sinto muitas dores na 

cabeça e no corpo e minha boca está estourada e o pé torcido, mas ainda bem que 

foi um susto e já passou, agora esperamos justiça !!!!”

Veja o video das agreções abaixo:


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note

Conheça a nossa loja

Quer indicar uma matéria?

Envie uma mensagem no WhatsApp

41 9 9765-2248 ou 

Loja do Bairro Uberaba